Próximas exibições

Receba a programação por e-mail

Calendário de Exibições

novembro 2006
seg ter qua qui sex sáb dom
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930EC

Pesquisar

Textos das sessões passadas

Rastros de Ódio

John Ford foi um dos principais e mais celebrados realizadores do cinema clássico americano. Começou no cinema como ator de filmes dirigidos por seu irmão mais velho e chegou a atuar em filmes de outros diretores, como Griffith. A partir da década de 20 começa a dirigir e a ser reconhecido, sendo seu primeiro sucesso o western Iron Horse (1924). Apesar de mais conhecido por seus westerns, como O Homem que Matou o Facínora (1962) e No Tempo das Diligências (1939), John Ford fez filmes de diversos gêneros. Alguns exemplos são o drama social baseado na obra homônima de John Steinbeck, As Vinhas da Ira (1940), o drama Como era Verde meu Vale (1941), que retrata uma Irlanda pueril e romantizada (vale lembrar que Ford tem descendência irlandesa) e a cine-biografia Young Mr. Lincoln (1939).

O western, gênero que John Ford ajudou a construir, se caracteriza inicialmente por um recorte espaço-temporal que é o do oeste dos Estados Unidos na segunda metade do século XIX. Mas é através da mitificação, ou seja, da universalização dos elementos desse universo, que o gênero se consolidou como tradição. O aspecto central do gênero western é a figura do herói e o seu papel de derrotar o mal. Sua jornada se dá na tensão entre a lei e o desejo, o código de conduta e as opções individuais, a harmonia e o banditismo, ou ainda salvar a cidade ou ficar com a mulher. Diferente de um aspecto de profundidade psicológica (já que o western tradicional é praticamente anti-psicológico), esses dilemas são estritamente morais e se dão no jogo simbólico entre os personagens de um filme desse gênero.

Entre os diversos filmes citados, principalmente nos westerns, vemos o que seria o grande tema do autor John Ford: o processo de domesticação, de formação civilizatória (sendo a família o principal símbolo) em um país ainda em construção, em parte selvagem. Isso se torna mais claro em seus últimos filmes, principalmente em O Homem que Matou o Facínora e Rastros de Ódio.

Rastros de Ódio conta a história da procura de Ethan Edwards (John Wayne), ajudado por Martin Pawley (Jeffrey Hunter), por sua sobrinha Debby (Natalie Wood), única sobrevivente do massacre da família Edwards logo depois o retorno de Ethan da Guerra da Secessão. Para isso, Ethan terá que confrontar o chefe Scar, líder de uma facção Comanche agressiva. O filme de Ford se constrói na dialética entre o mundo bárbaro e o civilizado. Ethan é o agente do mundo externo, selvagem, que trabalha a favor do mundo doméstico. Através desta relação o filme expõe algumas questões, como a do racismo, ponto sempre visto como problemático na história do gênero western. O dilema final do filme se dá em Ethan aceitar ou não Debby, que agora tem traços indígenas em sua identidade.

Rastros de Ódio (The Searchers, 1956), tem 125 min e é o filme mais conhecido de John Ford.

Write a comment