Próximas exibições

Receba a programação por e-mail

Calendário de Exibições

maio 2007
seg ter qua qui sex sáb dom
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031EC

Pesquisar

Textos das sessões passadas

Acossado

Enquanto espera por Patrícia, Michel Poiccard dentro do seu novo carro roubado compra um jornal, logo em seguida outro homem também o compra, na manchete a foto de Poiccard – na pose do mais verdadeiro bom moço. Em seguida o homem, interpretado pelo próprio Godard, reconhece o ladrão de carros, avisa a polícia logo depois de Michel partir com Patrícia, assim a seqüência termina com um círculo preto fechando a tela.

A aparição do Godard, no seu primeiro longa, marca um dos elementos mais recorrentes da sua estética, a do filme auto-reflexivo. Robert Stam define de auto-reflexiva a arte que “chama a atenção de maneira provocante, para seus próprios artifícios”, a arte na qual “a mão do artista é, antes de mais nada, visível”. Godard representa o diretor que controla tudo e indicar em cena o paradeiro de Poiccard, é mostrar que o destino do personagem já está traçado. Além disso, Godard fuma cachimbo numa clara referência (que pode estar apenas na minha cabeça) da figura de John Ford, cineasta americano que declarou certa vez sobre os americanos pensarem que os diretores de cinema só fumavam cachimbo.

Referência é o que não falta no filme de Godard, nomes como Renoir, Faulkner, Bogart; a crítica francesa dizia que Godard se baseava até nas notícias do jornal da época. A maior das referências é, talvez, o cinema noir, Acossado se comporta quase como um subgênero, o filme gangster intelectual, como afirma Stam. Essa paródia do gênero americano tem papel importante dentro da arte auto-reflexiva quando se refere ao processo criativo. O cineasta possui um repertório, os quadros que viu, as leituras, os filmes, e cabe a ele decidir se vai chamar atenção para suas influências dentro do seu filme.

No término da cena descrita lá em cima, quando a tela vai se tornando preta, outra característica auto-reflexiva que agora chama atenção para a montagem. A montagem é descontínua e apresenta um desprezo pela sincronia imediata entre o corte e o diálogo. Novos planos aparecem sem que o diálogo seja interrompido, ou como o corte de um plano-seqüência para ele mesmo. Essa artificiliadade da montagem, os novos modos narrativos da linguagem, o tratamento de construção de personagem tornam o filme tão ousado e fora dos padrões que Acossado se tornou o ícone da Nouvelle Vague, é um dos filmes mais influentes dentro da história do cinema, e foi o maior sucesso comercial de Godard.

O filme tão artificialmente construído possui um caráter altamente real. E de onde vem essa realidade? Ismail Xaviar coloca um trinômio: cinema de rua/mise-en-scène improvisada/representação da existência cotidiana. A tela projetaria uma “fatia da vida” ou a verdade do momento. No caso do filme do Godard, os personagens que se encontram e não conseguem se comunicar – e talvez este seja o tema principal do filme – Michel certa hora fala “Quando conversávamos, eu falava de mim, e você de você, quando eu devia ter falado de você, e você de mim”, mas ele continua falando sozinho, enquanto Patricia fala consigo mesma sobre não amar Michel.

O caracterização de Michel, sempre fumando, vestido como um verdadeiro gangster, imitando os gestos de Humphrey Bogart, ator de filmes noir. Então, por que na foto do jornal, a foto de um assassino de policiais, ele aparece sorrindo? A escolha não é arbitrária, mesmo que de pouca significância dentro no filme, afinal estamos falando de um defensor da política de autor que dizia que no cinema não existe decupagem clássica, o que existe é direção. Michel só posa de durão, Jean-Paul Belmondo interpreta um gangster sentimental, com medo e que no final está cansado de correr da polícia. É difícil saber ao certo se Michel ama Patrícia ou se ele tem medo de fugir sozinho, características própria dos personagens dos filmes modernos, onde não é possível saber o que se passa no seu interior. Assim como é difícil dizer o porquê de Patrícia delatar Michel, ela simplesmente não o ama, esse é seu motivo. Os personagens não evoluem, e são compostos de contrastes e conflitos que forjam seu realismo pela ambigüidade.

Bruno de Alencastro Grandi

Write a comment