Próximas exibições

Receba a programação por e-mail

Calendário de Exibições

setembro 2006
seg ter qua qui sex sáb dom
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930 

Pesquisar

Textos das sessões passadas

Terra em Transe

Glauber Rocha foi um dos principais nomes do Cinema Novo, movimento cinematográfico ocorrido nos anos 50 e 60 no Brasil, que tinha como princípio “uma câmera na mão e uma idéia na cabeça”. Glauber representa uma geração de intelectuais brasileiros que, por possuírem uma profunda consciência histórica, estão atentos à ligação entre o cultural e o político. O filme Terra em Transe se coloca, através dessa consciência, como uma representação alegórica dos golpes de estado ocorridos na América Latina.

Desta forma, o próprio Glauber Rocha se referia a Terra em Transe como "convulsão, choque de partidos, de tendências políticas, de interesses econômicos, violentas disputas pelo poder é o que ocorre em Eldorado, país ou ilha tropical. Situei o filme aí porque me interessava o problema geral do transe latino-americano e não somente do brasileiro. Queria abrir o tema ‘transe’, ou seja a instabilidade das consciências. É um momento de crise, é a consciência do Barravento."

No filme, Paulo Martins (Jardel Filho) é um poeta e jornalista que oscila entre diversas forças políticas em luta pelo poder em seu país, Eldorado, ao planejar a ascensão de um candidato supostamente oposicionista chamado Dom Felipe Vieira (José Lewgoy) e buscando o apoio do maior empresário do país para deter o avanço de uma multinacional estrangeira sobre o capital do país.
É uma alegoria política sobre o Brasil e a América Latina tendo como temas centrais o populismo, as utopias libertárias de esquerda e o concerto barroco de diversas culturas (africana, índia, branca). Retrata também um certo declínio da intelectualidade brasileira, rompendo com a certeza de revolução apresentada em Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964).

O filme foi lançado em 8 de maio de 1967 e sofreu problemas com a censura e com os críticos brasileiros e se tornou uma das principais influencias do movimento Tropicalista, que transformou a desilusão de Glauber em riso. Posteriormente, Glauber lançou Câncer, que é uma resposta a Terra em Transe, “reiterando a agressividade no enfoque das relações povo-intelectual e no modo como se encara a miséria e a impossibilidade presente de superá-la”, como afirma Ismail Xavier.

Write a comment