Próximas exibições

Receba a programação por e-mail

Calendário de Exibições

novembro 2010
seg ter qua qui sex sáb dom
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930EC

Pesquisar

Textos das sessões passadas

Vampiros

“Vampiros”

“Meus vampiros são criaturas selvagens. Não se preocupam nem um segundo com a solidão da eternidade porque estão ocupados demais desmembrando humanos.” – John Carpenter

Em Vampiros, o diretor John Carpenter se esforça para apresentar um conceito de vampiro diferente do presente na literatura e nos filmes mais influentes da década de 80 e 90, como os vampiros góticos/ vitorianos de Anne Rice ou de Drácula de Bram Stoker dirigido alguns anos antes por Coppola. Os vampiros de Carpenter são animalescos, mortos-vivos meramente racionais, uma massa maligna, impuros e nada refinados. São, de fato, o oposto do refinamento europeu proposto pelos autores citados acima. Não existe superstição, mistério ou encanto nessas criaturas. Essa massa acaba por destacar seu mestre, Valek, o único indivíduo com potência para antagonizar Jack Crow.

Esse embate entre dois iguais, somado ao ambiente inóspito, ao calor do sudoeste norte-americano e o grupo de caçadores de recompensa estabelece um vínculo inegável com o gênero western. A trilha sonora (composta pelo próprio Carpenter) intensifica a mistura de gêneros, alternando entre os clichès musicais nas cenas de caçada e de “duelo”.

O papel de James Woods em Vampiros é uma redundância em termos de anti-heroísmo ao tentar dar conta desse papel nos dois gêneros que o filme comporta. Essa redundância evidencia o seu papel dentro do filme de maneira a caricaturar o personagem, movimento comum nos filmes de Carpenter como em Fuga de L.A. e o personagem de Kurt Russel.

A linguagem desenvolvida por Carpenter em Halloween se alastrou rapidamente pelos filmes de horror e demorou pouco pra se tornar um clichè. Uma das ferramentas mais recorrentes é o cheap scare, movimentos de entrada e saída de elementos em quadro súbitas, realçados pela trilha sonora. Por essa gramática do horror, Carpenter é reconhecido como um dos principais diretores de horror em Hollywood.

Bruno Nucci e Marina Watson-Wood

Write a comment