Próximas exibições

Receba a programação por e-mail

Calendário de Exibições

setembro 2008
seg ter qua qui sex sáb dom
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930EC

Pesquisar

Textos das sessões passadas

El Topo

Este é um filme sobre poder, mas não com dois lados antagônicos que possuem formas de poder diferentes, mas sim sobre uma busca por um poder superior.

A motivação de El Topo poderia ser a vingança da vila dizimada, contudo ele apenas usa seu conhecimento de tal para iniciar sua busca por um poder acima do seu, deste modo inicia sua procura pelos grandes mestres do revolver no deserto.

Esta seria a primeira metade do filme, El Topo e sua acompanhante, a qual, aparentemente, torna-se a grande motivação dele pelo poder, pois ela exige tal elemento. Mara só ficará com o mais forte.

Os mestres possuem suas excentricidades, a partir do primeiro, tão apegado aos objetos materiais que aparenta um bebê sem eles, adquire seu poder apenas com a vestimenta deles, além disso, ele é representado como um homem com servos e uma vasta área de domínio, enquanto o último mestre possui nem mesmo um revolver, apenas uma rede para pegar borboletas. Esse gradativo desprendimento dos meios materiais relaciona o poder no filme de Jodorowsky como algo proveniente do interior das personagens.

Com o fim dos mestres do deserto El Topo torna-se o ser mais poderoso aos olhos de outrem, o que culmina em seu assassinato pela cavaleira negra que viajava com o casal, os tiros que ele recebe cobrem os pontos das chagas de Jesus, enquanto o golpe mortal da lança é desferido pela própria Mara, que foge com a mulher.

Este é o gancho para a segunda parte do filme, na qual El Topo, fracassado em sua tentativa de deificação própria é louvado por um povo de deficientes como aquele que pode lhes salvar da escuridão e lhes abrir um túnel que os ligue à cidade.

Completamente carregado de simbolismos, desde o ritual que inicia o filme, onde o filho de El Topo, para tornar-se um homem, se desprende de seus meios materiais mais queridos até o desfecho; no interlúdio entre os dois preenche-se de referências sexuais diretas, incomuns ao gênero, mas normais ao surrealismo, deste modo possuímos representações do desejo das personagens e alusões eróticas, o orgasmo inserido como método para se alcançar um poder maior.

Não se prendendo ao sexual, o filme apresenta (com maior ênfase na segunda parte) o bizarro e o deboche de uma suposta sociedade onde o padre é um enganador, os xerifes formam um casal gay e as gordas mulheres se maquilam constantemente e é para esta comunidade que El Topo, após abdicar de seu poder, pretende abrir as portas para as pessoas aprisionadas na velha caverna.

Um filme sobre a busca de poder que exibe a vida como poder supremo.

Phillip Gruneich

Write a comment